Buscar um especialista

Encontre o mais próximo de você

Área do associado

Acesse conteúdos exclusivos

Publicado em 13 de setembro de 2022

Artrose no quadril: doença atinge 10 milhões de brasileiros

A patologia atinge mais pessoas do sexo feminino e acima de 60 anos, além dos pacientes do grupo de  riscos como obesos, sedentários e diabéticos

De acordo com dados do Ministério da Saúde, as articulações mais atingidas pela artrose são joelhos, dedos e quadris, sendo que 10 milhões de brasileiros possuem a artrose de quadril (comumente chamada desgaste do quadril). É o processo degenerativo acompanhado da inflamação de toda a articulação envolvendo não só a cartilagem, mas também ligamentos, cápsula articular, osso e musculatura local, por isso também é denominada osteoartrite do quadril.

A articulação do quadril é formada pelo acetábulo e a cabeça do fêmur. Essas estruturas são envoltas por diversos músculos, tendões, ligamentos e outras estruturas que permitem que os movimentos sejam realizados. A artrose causa um desgaste da cartilagem entre a cabeça femoral e a bacia, causando dor na virilha ou lateral do quadril, diminuição da mobilidade e claudicação, as famosas  câimbras e fisgadas.

Uma doença multifatorial, ou seja, não tem uma causa única. É mais comum no sexo feminino e em pacientes acima de 60 anos, mas pode ocorrer em adultos jovens. A patologia está relacionada também a fatores hereditários, à obesidade, sobrecarga articular, fatores hormonais, traumas locais, doenças reumatológicas e deformidades do quadril, podendo levar à alterações mecânicas e à displasia do desenvolvimento do quadril em crianças e adolescentes, entre outras.

Leandro Alves de Oliveira, Membro titular da Sociedade Brasileira do Quadril (SBQ), explica que a artrose do quadril pode ser  primária, quando não temos uma causa definida,  ou secundária, quando se sabe a causa que levou ao desgaste do quadril. “As principais causas de artrose secundária são: displasia do desenvolvimento do quadril, impacto fêmoro-acetabular, sequelas de trauma como fraturas, necrose avascular da cabeça femoral, doenças do quadril da criança e do adolescente, doença de Legg-Calve-Perthes, epifisiólise femoral proximal”, esclarece Oliveira.

Segundo o médico, o principal sintoma é a dor acompanhada de limitação de movimentos do quadril. “A dor inicia de forma branda e pode piorar com os esforços. Localizada geralmente na região anterior do quadril (virilha), pode irradiar até o joelho. Com a evolução da artrose, a dor vai aumentando de intensidade e dificultando atividades diárias. Na fase mais crítica da doença, a dor pode acometer o paciente até mesmo em repouso e ao dormir”, explica o especialista.

Além disso, a mobilidade do quadril também piora gradativamente e o paciente pode apresentar dificuldades de realizar tarefas simples como calçar meias e sapatos, cortar as unhas dos dedos dos pés, subir escadas, entrar e sair do carro. Outro sintoma, é a dificuldade para andar. Com o avanço da doença alguns pacientes necessitam bengala e andador como auxílio para se locomover.

Dr. Leandro explica que o diagnóstico é realizado na consulta médica pela caracterização dos sintomas e o exame físico bem feito realizado pelo especialista, associado aos exames de imagem. “O principal exame de imagem utilizado para o diagnóstico da artrose é a radiografia simples da pelve e da articulação do quadril. Com esse exame é possível realizar o diagnóstico, identificar o grau da artrose e realizar o planejamento terapêutico. A ressonância magnética auxilia no diagnóstico na fase inicial quando tem poucas ou nenhuma alteração na radiografia.” conclui o Membro da SBQ.

Para o tratamento, em sua fase inicial, é importante a conscientização dos pacientes para a mudança dos hábitos de vida e adoção de um estilo saudável; perda de peso, fortalecimento muscular, realização de atividades físicas, prevenção de impacto, são comportamentos que ajudam a preservação da saúde do quadril. O tratamento também inclui medicamentos que podem ser utilizados para alívio da dor.

Ainda segundo o médico, o procedimento cirúrgico só é indicado quando o paciente não tem alívio da dor com a conduta não cirúrgica. “Pode ser realizado cirurgias para correção de deformidades do quadril na sua fase inicial, osteotomias ou artroscopia do quadril, e a artroplastia total do quadril”, afirma Oliveira

A artroplastia total do quadril é a substituição protética do quadril que traz uma grande satisfação ao paciente com alívio da dor e melhora da qualidade de vida, sendo considerada pela revista “Lancet”, uma das principais revistas científicas médicas, como a cirurgia do século pelos seus bons resultados.


É proibida a reprodução total ou parcial de textos, imagens e ilustrações, por qualquer meio, sem que haja prévia e expressa autorização pela Sociedade Brasileira do Quadril, sob pena de responder civil e criminalmente.

  • Notícias gerais