Informações para pacientes

O que é Impacto Fêmoro-acetabular


Autores:

• Dr. Henrique Berwanger Cabrita
Doutor em Ortopedia pela Universidade de São Paulo
Assistente do Grupo de Quadril do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
Membro das Sociedades Brasileiras de Ortopedia e Traumatologia, Quadril, Artroscopia e Medicina Esportiva
Membro do Instituto Vita


• Prof. Dr. Luiz Sérgio Marcelino Gomes
Mestre e Doutor em Ortopedia pela Universidade de São Paulo (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto)
Chefe do Grupo de Quadril do Hospital e Maternidade Celso Pierro - PUC (Campinas)
Chefe do Serviço de Cirurgia e Reabilitação Ortopédico-Traumatológica de Batatais (SECROT)
Membro Fundador da Sociedade Brasileira de Quadril (SBQ)
Fellow do Hennepin County Medical Center e Orthopaedic Biomechanics Laboratory, Midwest Orthopaedic Research Foundation, Minneapolis Medical Research Foundation and University of Minnesota, MN, USA.

• Dr. Marco Antonio Pedroni
Mestre em Cirurgia - PUCPR
Especialista em Ortopedista e Traumatologista, Quadril e Artroscopia
Professor da PUCPR e Universidade Positivo
Presidente Sociedade Brasileira de Quadril Regional Paraná

 
O que é o “quadril”?
O quadril é a articulação (junta) que une os ossos da bacia e do fêmur. Ele é chamado também de articulação coxo-femoral.



O quadril pode sofrer várias doenças, sendo que a mais comum é o seu desgaste, ou artrose.
Das condições que podem levar ao desgaste do quadril, a mais comum é o impacto femoroacetabular.

O que é Impacto femoroacetabular?

         O impacto femoroacetabular (IFA) é uma situação mecânica que ocorre quando a articulação do quadril apresenta uma incongruência nos extremos de suas amplitudes de movimento, especialmente quando ele é dobrado ou rodado para dentro.
         Esta incongruência pode ser devida a deformidades do osso da bacia, especialmente em sua borda, o acetábulo, ou a deformidades da cabeça do fêmur. Na maioria das vezes, há osso a mais tanto na cabeça quanto na bacia.

Quais são os tipos de Impacto Femoroacetabular?

Came
         O impacto tipo came  resulta do contato entre uma cabeça do fêmur anormal e o acetábulo (borda da bacia).
         É mais comum em indivíduos do sexo masculino, praticantes de atividades esportivas e na terceira ou quarta década de vida;
‘Came’ é definido pelo dicionário Michaelis como “dispositivo de máquina, destinado a converter um movimento rotativo regular em movimento rotativo irregular, rápido ou lento, intermitente ou alternativo; ressalto do came, arrasto”. É este tipo de comportamento que a cabeça do fêmur tem com relação ao acetábulo, devido ao seu formato elíptico.


Impacto fêmoro-acetabular tipo came: durante a flexão do quadril, a porção anesférica da cabeça femoral (protuberância ou bossa da transição colo e cabeça femoral) colide contra o teto da bacia (acetábulo). A cartilagem é descolada progressivamente pelo cisalhamento, o que leva ao rompimento do labrum.
 
         A avulsão condral leva ao destacamento secundário do lábio fibro-cartilaginoso ou labrum. Na região de contato ósseo há a formação de cistos subcondrais, identificados à ressonância magnética e tomografia computadorizada e, em casos mais avançados, nas radiografias simples.

Pinçamento ou torquês

         O impacto tipo pinçamento (“Pincer”) ou torquês é resultado do contato de uma borda acetabular anormal com o colo (pescoço) do fêmur normal.
O pinçamento é mais comum em mulheres de meia idade praticantes ou não de atividades esportivas.


Impacto femoroacetabular tipo pinçamento: devido ao excesso de cobertura acetabular, o lábio é danificado diretamente pela junção colo-cabeça femoral. A lesão da cartilagem acetabular, em sua porção ântero-lateral, é menos extensa que a do IFA tipo came. A cartilagem acetabular posterior é lesada por mecanismo de contra-golpe da cabeça femoral.

Misto
         Os impactos tipos came ou pinçamento raramente ocorrem como mecanismos isolados. Setenta por cento dos pacientes com impacto tem problemas no fêmur e na bacia.

Por que tratar o impacto femoroacetabular é importante?

         A colisão entre as estruturas anormais no impacto leva ao destacamento da cartilagem que recobre o acetábulo e à lesão de sua borda fibro-cartilaginosa, que é o labrum ou lábio acetabular.
         O destacamento da cartilagem parece com o de um carpete solto, e é irreversível ou seja, uma vez que a cartilagem está danificada, não há como repará-la. Por isto o tratamento precoce do IFA é muito importante.

Lembre-se:

O impacto fêmoro-acetabular é uma das causas de desgaste do quadril
         Com o desenvolvimento do diagnóstico e do tratamento do Impacto fêmoro-acetabular os ortopedistas hoje podem alcançar sucesso na conduta de uma patologia desconhecida até uma década atrás e que ainda é pouco diagnosticada.
 
Quem pode ter IFA? Como é a dor?

            A maioria dos pacientes com impacto femoroacetabular encontra-se entre a terceira e a quinta década de vida. A queixa é de dor inguinal (raiz da coxa) irradiada para a região de dentro da coxa ou joelho, o que pode retardar o diagnóstico porque é muito parecida com lesões musculares (distensões da coxa ou da virilha).
A dor evolui no seguinte roteiro:
  • Dor residual após atividades físicas que envolvem sobrecarga do quadril;
  • Dor durante a prática das atividades físicas;
  • Diminuição gradativa da mobilidade do quadril;
  • Progressão da dor para atividades do dia-a-dia como se sentar ou levantar-se de cadeiras baixas, permanecer sentado muito tempo, entrar e sair do carro e subir escadas;
  • Em casos avançados, dor ao mudar de posição na cama ou mesmo em repouso, com limitação de toda amplitude de movimento do quadril.
Quais os esportes mais comuns para o desenvolvimento dos sintomas de IFA?
  • Futebol;
  • Tênis;
  • Squash;
  • Rúgbi;
  • Hóquei;
  • Natação (nado clássico ou de peito);
  • Surfe e Wakeboard;
  • Yoga;
  • Ciclismo de estrada
  • Remo;
  • Automobilismo (em carros baixos).
Quais exames o seu médico irá pedir?

            O ortopedista, além de examinar o paciente, especialmente testar a movimentação do quadril dobrando e rodando a perna e avaliando a força muscular, irá pedir alguns exames para o diagnóstico.
Os exames mais comuns são as radiografias simples, para investigar os ossos e a ressonância nuclear magnética, para investigar a cartilagem, o labrum e as lesões dos músculos.

         Eventualmente podem ser pedidas tomografias computadorizadas que, se reconstruídas em três dimensões dão uma imagem precisa das deformidades ósseas.


         Uma artrorressonância magnética, exame em que é injetado contraste dentro do quadril é mais sensível que a ressonância comum e pode ser pedido em casos de dúvida.
Como é o tratamento do impacto femoroacetabular?
         O tratamento desta lesão pode ser tentado com fisioterapia, orientação das atividades esportivae do dia-a-dia e, de acordo com a sugestão de seu ortopedista, com reforço muscular e uso de protetores de cartilagem.
Lembre-se:
         A fisioterapia visando aumento de amplitude articular e alongamentos é contra-produtiva, pois exacerba o impacto fêmoro-acetabular e pode acelerar o desgaste da cartilagem.
         Infelizmente, esta doença é geralmente progressiva e, com a manutenção dos sintomas, é preconizado o tratamento com cirurgia.

Como é a cirurgia para o tratamento do IFA?
            Existem dois tipos de cirurgia: a luxação cirúrgica do quadril e a artroscopia do quadril.
         Em ambas as técnicas o paciente vai embora para casa no mesmo dia da cirurgia ou no dia seguinte, por segurança.
         Até hoje a luxação cirúrgica, que é uma incisão (corte para mostrar as estruturas danificadas e corrigir os defeitos) tem os melhores resultados.



         É uma cirurgia realizada com bastante segurança por ortopedistas acostumados a realizá-la, com baixos riscos de complicações.
         A artroscopia consiste numa técnica de olhar a articulação através de cânulas especiais, com uso de fibras óticas, e possibilita o manuseio de tecidos com instrumentos flexíveis, podendo-se retirar os contornos ósseos a mais, colocarem-se âncoras (aparelhos que fixam o lábio cartilaginoso ao osso), tudo com menos agressão aos músculos e tendões. Entretanto é uma técnica relativamente nova que deve ser realizada apenas por cirurgiões experientes.



Como é a recuperação após uma cirurgia de impacto fêmoro-acetabular?

         Tanto na cirurgia aberta quanto na artroscopia, o paciente deve movimentar logo o quadril e pode andar de imediato, embora deva pisar de leve por três a seis semanas, usando muletas.
         A fisioterapia é iniciada logo no hospital e é crucial para a boa evolução.
Todo o tratamento depois da cirurgia depende das lesões da cartilagem encontradas na cirurgia. Em geral, quanto pior o estado da cartilagem, mãos lenta a recuperação e, infelizmente, pior o resultado final da cirurgia.
O tempo de recuperação total após a cirurgia varia de três a seis meses.
Lembre-se:
  • O impacto femoroacetabular é considerado a principal causa de lesões labiais e pode levar à artrose precoce do quadril.
  • O principal sintoma é a dor na região da virilha ao andar, sentar ou levantar-se da posição sentada.
  • A correção do IFA através de cirurgia aberta ou artroscópica abre novos horizontes no tratamento de pacientes que antes não tinham como serem abordados adequadamente.
  • O ortopedista geral deve saber reconhecer esta patologia e indicar adequadamente seu tratamento.
  • O ortopedista especialista em quadril tem treinamento específico para realizar cirurgias de IFA e adequadamente conduzir seu pós-operatório.
        
         Referências
  • Beck M, Kahlhor M, Leunig M, Ganz R. Hip morphology influences the pattern of
  • acetabular cartilage damage. J Bone Joint Surg [Br]2005; 87-B:1012-18.
  • Beck M, Leunig M, Parvizi J, Ganz R. Anterior femoroacetabular impingement. Part
  • II: midterm results of surgical treatment. Clin Orthop 2004;418:67-73.
  • Byrd, JWT Operative Hip Arthroscopy  cap. 3 Investigation of the symptomatic hip: physical examination Thieme p.33, 1998
  • Byrd JW, Jones,KS Diagnostic Accuracy of Clinical Assessment, Magnetic Resonance Imaging, Magnetic Resonance Arthrography, and Intra-articular Injection in Hip Arthroscopy Patients Am J Sports Med 32 (7) 2004 1668-1674
  • Cabrita, H. Teochi, LF; Castropil Hip athroscopy - an evaluation of 60 consecutive cases J Bone Joint Surg [Br]  2006 88-B,  SUPP_I, 76.
  • Czerny C, Hofmann S, Urban M Magnectic ressonace arthrography of the adult acetabular capsular-
  • labral complex: correlation with surgery and anatomyAm J Roentgenol 1999; 173:345–349.
  • Ferguson SJ, Bryant JT, Ganz R, Ito KAn in vitro investigation of the acetabular labral seal in hip joint mechanics.J Biomech. 2003 Feb;36(2):171-8. 
  • Ganz R, Parvizi J, Beck M. Femoroacetabular impingement: a cause for osteoarthritis of the hip. Clin Orthop 2003;417:112-20.
  • Ganz R, Gill TJ, Gautier E, Leunig M Surgical dislocation of the adult hip a technique with full access to the femoral head and acetabulum without the risk of avascular necrosis. J Bone Joint Surg [Br] 2001;83-B:1119-24.
  •  Gomes LSM. Tratamento conservador do Impacto Fêmoroacetabular. Apresentada durante o  encontro da Sociedade Brasileira de Quadril-Regional Sul 2010, Passo Fundo, 5-6 Março.
  • Gomes LSM e do Carmo WM.  A cosmetic extensile anterior approach for hip joint-preserving surgeries:  The role of iliac crest osteotomy. E-poster presented at the 11th Efort Congress, 2010, 2-5 June,  Madrid-Spain.
  • Harris WH. Etiology of osteoarthritis of the hipClin Orthop Relat Res. 1986(213):20-33. Kelly BT, Weiland DE, Schenker ML, Philippon MJ. Arthroscopic labral repair in the hip: surgical technique and review of the literature.Arthroscopy. 2005 Dec;21(12):1496-504.
  • Lequesne M. The false profile view of the hip: role, interest, economic considerations Joint Bone Spine 2002 ; 69 : 109-13
  • Leunig M, Beck M, Woo a, Dora C, Kerboull M, Ganz, R. Acetabular rim degeneration: a constant finding in the aged hip. Clin Orthop, 2003 413: 201-207
  • Leunig M, Ganz R. Femoroacetabular impingement. A common cause of hip complaints leading to arthrosis Unfallchirurg. 2005 Jan;108(1):9-10, 12-7.
  • McCarthy JC, Noble PC, Schuck MR, Wright J, Lee J. The watershed labral lesion: its relationship to early arthritis of the hip. J Arthroplasty. 2001 Dec;16(8 Suppl 1):81-7.
  • Murphy S, Tannast M, Kim Y, Buly R, Millis MD. Debridement of the adult hip for femoroacetabular impingement: indications and preliminary clinical results. Clin Orthop 2004;429:178-81.
  • Notzli HP, Wyss TF, Stoceklin CH, Schmid MR, Treiber K, Hodler J. The contour of the femoral head-neck junction as a predictor for the risk of anterior impingement. J Bone Joint Surg Br 2002 84B: 556-560
  • Philippon, MJ; Schenker, BS A new method for acetabular rim trimming and labral repair Clin Sports Med 25 2006 293-297
  • Polesello GC, Honda EK, Ono NK, Guimarães RP, Oliveira LA, Mello MBD, Nakandakari EY Artroscopia do quadril: experiência após seguimento médio de 33 meses Rev Bras Ortop. 2006;41(5):145-50
  • Sampson, TG Arthroscopic treatment of femoroacetabular impingement: a proposed technique with clinical experience Inst Course Lect 2006 55 337-346
  • Telöken, MA, Borges CS, Gusmão PDF, Boschin LC,  Schwartsmann CR,  Dirani M,  Souza MR   Resultados preliminares da osteotomia periacetabular pela técnica de Ganz Revr Bras Ortop 39 (6) 292-299 2004
  • Wiberg G. Studies on dysplastic acetabula and congenital subluxation of the hip joint. Acta Chir Scand 83 (Suppl 58), 1939